terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

# 9 - Presente Literário

   


                                                  Aurélio Buarque de Holanda Ferreira
3/05/1910 — 28/02/1989

Foi o autor do Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa , lexicógrafo, filólogo, professor de Português e Literatura Brasileira, tradutor, ensaísta, crítico literário brasileiro e membro 'imortal' da Academia Brasileira de Letras.

Publicou artigos, contos e crônicas .Em 1942 lançou o livro de contos Dois Mundos. Já em  1945 publicou o ensaio Linguagem e Estilo de Eça de Queirós. Neste mesmo ano, lançou o primeiro dos cinco volumes da coleção Mar de Histórias, uma antologia de contos da literatura universal, junto com Paulo Rónai.

Em 1975, foi publicado o Novo Dicionário da Língua Portuguesa, conhecido como Dicionário Aurélio. Em 1977 publicou o Minidicionário da Língua Portuguesa, que também é chamado de "Miniaurélio". Lançou o Dicionário Aurélio Infantil da Língua Portuguesa (1989), com ilustrações de Ziraldo.
 
O autor também traduziu várias obras, como Poemas de Amor, de Amaru; Pequenos Poemas em Prosa, de Charles Baudelaire; e os contos para a coleção Mar de Histórias.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Blogagem Coletiva #52semanasdegratidão - 8/52

Pensando no quê agradecer nesta semana, reparamos que algo nos foi comum: os pássaros! Sim, os passarinhos, que vivem cantando e deixando nosso dia mais alegre. Eles apareceram de modo bem rápido, mas que nos deixou com um sentimento muito bom.

Imagem do Google
Um dia, fui lavar roupa, já com aquele sentimento de "não vejo a hora de terminar isso e ficar num cantinho fresco, porque o sol está de matar". Mas aí, tudo mudou quando cheguei na lavanderia e ouvi aqueles piados altos e calorosos. Logo pensei: "Ah, devem ser maritacas que estão no telhado..." Sim, eram as próprias! O que eu não esperava é que, de repente, uma delas colocaria a cabecinha para baixo para me olhar!! Coisinha mais fofa, aquele biquinho laranjinha e beeeem verde nas penas!! Logo ela e mais um voaram para uma árvore! Pouco tempo depois, um casalzinho voltou a pousar no muro... imagina a alegria?!

Arquivo Pessoal
Outro dia, ao abrir a janela, deparei com alguns passarinhos, daqueles meio gorduxinhos, sentadinhos no fio. Todos cantarolando e deixando o dia mais doce.

Daí pensamos: "como pode alguém não reparar nessas pequenas coisas, nestes pequenos presentinhos de Deus?!" Mas para muitos, a correria é tamanha que não têm tempo para reparar nas pequenas coisas.

Que tal, para esta semana, nos propormos a observar os pequenos detalhes que acontecem ao nosso redor?! Deus nos dá tantas coisas, mas muitas vezes não conseguimos enxergar...

Por Ale Veras

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Projeto "Tem Que Ler Mesmo?" Europa

Olá caros viajantes literários!
Mais uma vez, peguei minha mochila e fui viajar, mas desta vez com John Boyne.
E garanto à vocês que foi uma aventura incrível, junto com Alfie Summerfield. Nem imaginava como uma criança tinha tanto para ensinar!
Sinopse: 
Em meio às tragédias da Primeira Guerra Mundial, o amor é a única arma de um garoto para curar seu pai. Alfie Summerfield nunca se esqueceu de seu aniversário de cinco anos. Quase nenhum amigo dele pôde ir à festa, e os adultos pareciam preocupados — enquanto alguns tentavam se convencer de que tudo estaria resolvido antes do Natal, sua avó não parava de repetir que eles estavam todos perdidos. Alfie ainda não entendia direito o que estava acontecendo, mas a Primeira Guerra Mundial tinha acabado de começar. Seu pai logo se alistou para o combate e, depois de quatro longos anos, Alfie já não recebia mais notícias de seu paradeiro. Até que um dia o garoto descobre uma pista indicando que talvez o pai estivesse mais perto do que ele imaginava. Determinado, Alfie mobilizará todas suas forças para trazê-lo de volta para casa.
*******
Um livro extremamente sensível, o autor nos leva com muita doçura a conhecer o pequeno Alfie. Com seu coração puro, ainda não tinha noção o que era a guerra e suas consequências.

Alfie não só perde seu pai para a guerra, mas também ganha uma mãe ausente, amigos que partem, uma vizinhança triste e desamparada.

John Boyne, não mostra a guerra em si, mas o que acontece pós guerra. Uma guerra particular, solitária, ausente de inimigos, porém cada soldado que consegue voltar, traz consigo as marcas no corpo e, a pior delas, na alma.

O pequeno Alfie vai nos conduzindo a conhecer seus maiores desejos e medos, suas lutas para achar seu pai no meio do caos. 

"Ele tinha feito pela melhor razão do mundo. Por amor." pg 219

Uma pequena alma pura, sonhadora e repleta de esperança. Ele aprende a ver, em tão tenra idade, as consequência e atrocidades que o homem é capaz de fazer com seu semelhante.   

"Aqueles homens eram todos perturbados, vivendo parte no presente, parte no passado e parte em alguma terra sem lei, onde marchavam tentando desviar dos tiros, mas fracassavam, agonizavam, desfaleciam." pg 167

O autor traduziu tão bem esse momento, que teve a sensibilidade de usar do personagem para mostrar grandes obras primas. Imagine, um pequeno garoto que em momentos de caos, tem a delicadeza de ler. Sim! Seu melhor amigo: o livro!

"Alfie era o melhor leitor da turma - era o melhor da escola, na verdade. Ele adorava quando a sra. Jillson, a bibliotecária, lia alguma coisa em voz alta ou passava um livro pela turma para que todos fizessem o mesmo com uma ou duas páginas." pg. 49


"- Nove anos e já se dedica ao trabalho. É como nos tempos de Dickens. Você já leu Dickens?
-Não, senhor.
- Já leu alguma coisa?
- Sim, senhor.
- O quê?
- Robinson Crusoé." pg. 80


"Observou a paisagem durante um bom tempo, até o pescoço doer, e então se virou e reparou pela primeira vez na jovem que estava com ele no vagão. Estava sentada à sua frente, mas não tão perto da janela, e lia um livro chamado A natureza extraordinária da mente humana, escrito por um dr. F. R. Hutchison. Alfie não tinha certeza como pronunciar a terceira palavra..." pg. 105


"... outro homem lia um livro. Quando ele terminava uma página, arrancava a folha, amassava e jogava fora no chão, já havia dezenas espalhadas. Alfie estreitou os olhos para ver as palavras da capa. Madame Bovary." pg 119


"- Você pegou o presente? - ela perguntou, e seu pai fez que sim, apontando para a mesa, sobre a qual estava uma cópia de Grandes esperanças, de Charles Dickens. Era julho de 1922, quase quatro anos depois do fim da guerra e aniversário de treze anos de Alfie Summerfield."  pg. 209


 
 Até breve, com mais uma viagem incrível!

By Nice Sestari

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Projeto "Tem Que Ler Mesmo?" África

Olá Caros Viajantes Literários!
Arrumei minha mochila e fui junto com Christian Jacq , para o Egito Antigo.
Galera que passeio maravilhoso, uma saga de tirar o fôlego.
Jacq , nos apresenta o faraó que reinou de 1279 a 1212 a.C., foi o  primeiro faraó da XIX dinastia do Império Novo , Ramsés!
São 05 livros que te levam a conhecer um pouco mais do Egito Antigo, seus costumes e pensamentos. Como toda boa história tem uma pitada de fantasia.

A sociedade egípcia era organizada em torno do faraó, ele era o Rei do Alto e do Baixo Egito, Senhor das “Duas Terras” e de todas as pessoas. 
Um dos filhos do Rei Sethi e da Rainha Touya, será escolhido para ser o sucessor de Sethi. Porém, nem sempre o  primogênito tem condições de receber este cargo.

O faraó é responsável pela justiça, a fiscalização das obras públicas, pelas funções religiosas,  e o comando do exército. Imaginem quantos desejavam este trono, este poder, quanta conspiração, para tirar a vida de Ramsés! 

Ramsés deixou o maior legado em termos de monumentos como: Abu Simbel, Pi-Ramsés, Ramesseum (templo funerário de Ramsés), Amon-Rá em Karnak. E muitas estátuas colossais. Para o povo, Ramsés era considerado, um rei magnífico, um grande conquistador, um pacificador. Em sua honra, realizavam-se inúmeros cultos. O faraó era considerado um deus vivo, filho de deuses e intermediário entre eles e o povo.

Em meio a tudo isto, Ramsés vai descobrindo a vida, os prazeres com Iset a Bela (sua paixão) e Nefertari (seu grande amor). O nascimento de seus filhos Kha, Merneptá e Meritamon, é de muita alegria para o Faraó. Apesar de Ramsés ser pai de muitos filhos, no livro se destacam esses três citados. E  além disso, houve também  o casamento forçado com uma princesa hitita.

Grandes batalhas estão por vir. O ambicioso Chenar irmão mais velho de Ramsés, passa o tempo todo conspirando contra seu irmão. A grande luta com os hititas (potência militar),o bruto e ardiloso hitita, Uri-Techup, é um de seus piores inimigos. O mago do mal Ofir, também está na lista dos que desejam acabar com o faraó e junto com ele, alguns familiares de Ramsés, em busca de restaurar a antiga religião, dedicada ao culto do deus único Aton, a muito tempo instituída pelo faraó Akhenaton.

Ramsés não está sozinho nesta jornada, seus companheiros o cão Vigilante e seu leão Matador, fazem peso ao grupo de amigos como Ameni, Setaou, Acha e Moisés. Serramanna, seu leal escudeiro. E o grande poeta Homero autor dos poemas épicos Ilíada e Odisseia.

"_ Um verdadeiro homem vai até o limite das suas forças, um rei passa além delas; ..."

"_"Seja um touro poderoso de eterna juventude, com coração firme e chifres afiados, e nenhum inimigo lhe poderá vencer",disse-me o meu pai. Você, Ramsés, saiu do ventre da sua mãe como um autentico touro e deve se transformar num sol radioso, que espalhará os seus raios para o bem do seu povo. Você se escondia na minha mão como uma estrela;hoje, abro os dedos. Brilhe ou desapareça." pg.11

"_ O Faraó é a imagem do criador que se criou a ele próprio
... Realize atos benéficos para os deuses, Ramsés, seja o pastor do seu povo, dê a vida aos seres humanos, grandes e pequenos, mantenha-se vigilante tanto de noite como de dia, procure toda a ocasião para agir com utilidade." pg 385


"_ A árvore é a essência, o dom total - afirmou o jardineiro.- Viva, oferece sombra, flores e frutos; morta, a sua madeira. Graças a ela, comemos, construímos e saboreamos momentos de felicidade... Sonho com um país de árvores, em que os únicos habitantes seriam os pássaros e os ressuscitados."pg 91

"Um imenso pássaro azul, parecido com uma garça-real, voejava por sobre a cidade." ..."A fênix" ..."Dizia a lenda que ela regressava do Além para anunciar um reinado radioso e o despertar de uma nova era." pg. 208

"Como esta terra é bela, Nefertari! Ao percorrê-la compreendi que era um milagre do céu, a filha da água e do Sol. Nela se aliam a força de Hórus e a beleza de Hathor. Cada segundo da nossa vida lhe deve ser oferecido; você e eu não nascemos para governá-la, e sim para servi-la." pg. 214


"A guerra é a vergonha da humanidade, e a prova de que esta é uma raça regenerada, manipulada por forças invisíveis. Cada verso da Ilíada é um exorcismo destinado a extirpar a violência do coração dos homens, mas a minha magia parece-me por vezes bem irrisória." pg. 38    (Ramsés e Homero conversando) 

"...os jardineiros regavam as árvores jovens, às quais dirigiam palavras ternas; todos sabiam que as plantas apreciavam essas mensagens, assim como a água as alimentava." pg.212

"Um raio de luz envolveu o faraó, tornando o seu corpo refulgente como ouro iluminado pelo sol. Ramsés filho de Ra, adquiriu a força do astro do dia e lançou-se sobre a massa inimiga, estupefada." pg. 329





"O jovem Kha copiava um texto célebre, que gerações de escribas haviam copiado e recopiado antes dele:

Como herdeiros, os escribas que atingiram o conhecimento dispõem dos livros de sabedoria. O seu filho bem-amado dispõe da tabuazinha para escrever. Os seus livros são as suas pirâmides, os pincéis os seus filhos e a pedra coberta de hieróglifos a sua esposa. Os monumentos desaparecem, a areia recobre as estelas, os túmulos são esquecidos, mas o nome dos escribas que viveram a sabedoria perdura por causa do esplendor das suas obras. Seja escriba e grave este pensamento no seu coração: um livro é mais útil que um muro mais sólido. Vai lhe servir de templo, mesmo depois de ter perecido; pelo livro, o seu nome sobreviverá na boca dos homens, será mais sólido do que uma casa bem construída." pg 65


"_ Pois eu não me curvo! Não há de ser o Imperador do Hatti que irá as decisões ao faraó do Egito. Não somos um povo bárbaro que trata as mulheres como criaturas inferiores. Que senhor das Duas Terras ousou jamais repudiar a sua grande esposa real, que participa da existência do Faraó?E é logo a mim, Ramsés, que um guerreiro da Anatólia ousa pedir para violar a lei dos nossos antepassados!" pg 45

"...Ramsés sabia que o que permanecia imóvel avançava para a morte; assemelhava-se também a um músico capaz de tocar diversos instrumentos e de criar constantemente novas melodias com as mesmas notas de eternidade. Ramsés não fizera da potência que lhe fora legada pelos deuses um poder sobre os homens, mas sim um dever de retidão; e era essa fidelidade a Maât que não permitia que um Faraó do Egito se tornasse um tirano." pg 85


Até breve com mais uma viagem literária!

                                        Participe você também desta viagem! Veja aqui!



sábado, 18 de fevereiro de 2017

Blogagem Coletiva #52semanasdegratidão - 7/52

Olá Pessoal!


Mais uma semana se passou! Mais momentos de gratidão, alegrias, tristezas, decepções, esperança, ternura, novos olhares, velhos hábitos, tudo recheado de Paz e Bem!

Sempre é tempo de recomeçar, de desapegar de velhos pensamentos, de renascer e de ter a certeza que Deus olha por cada um de nós, de forma singular e especial.

Esta semana dedico toda minha gratidão, aos Presentinhos de Deus.

Pela vida que brota, simplesmente!
Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

Arquivo pessoal
Santuário de Atibaia

Arquivo pessoal

«O homem tem em si uma sede de infinito, uma saudade de eternidade, uma busca de beleza, um desejo de amor, uma necessidade de luz e de verdade, que o impelem rumo ao Absoluto; o homem tem em si o desejo de Deus.» Papa Emérito Bento XVI



sábado, 11 de fevereiro de 2017

Blogagem Coletiva #52semanasdegratidão - 6/52

E  hoje quem está de aniversário é o Blog!! 

Primeira publicação do blog
Já são 2 anos de incentivo, sugestões, compartilhamentos, resenhas, pesquisas... enfim, postando vários temas para que você, caro leitor, possa navegar conosco no mundo da leitura.

Obrigada por sua visita, por seus comentários e até pelos sorrisos que causamos, de alguma forma, à você! Já são 11.487 visualizações, que não teriam acontecido se você não tivesse tirado um pouquinho do seu tempo para nos visitar! Muito obrigada!



E para completar...
Nessa semana, minhas (Ale) aulas retornaram e, com a graça de Deus, só falta este ano para terminar tudinho!! Aproveitar para agradecer que, finalmente, posso começar meu TCC!!! Além disso, a lua e o céu estavam lindos, um presentinho de Deus.


Eu (Nice) agradeço que todos os problemas da semana foram resolvidos. Consegui falar com amigas tão especiais e matar um pouco da saudade, que insiste em fazer morada no peito. 


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Blogagem Coletiva #52diasdegratidão 5/52

Olá pessoal!
Quando parei para escrever sobre o que agradeceria, fiquei na dúvida. Não por falta do que agradecer, mas por ter muito a agradecer!
E lá no fundo da alma, me veio a lembrança de pessoas tão especiais em minha vida. Poderia dizer que radicalizaram minha maneira de ver o mundo e tudo que há nele.
Por incrível que pareça foram cinco mulheres especiais.
A primeira é a minha Professora Margarida do primeiro ano, que me ensinou a ler e escrever. Tenho contato com ela até hoje, toda vez que nos falamos sempre digo que a amo e como sou grata por tê-la em minha vida.
Quando passei pra segunda série, tive que mudar de escola. Como sofri! Não queria ir, mas não tive escolha,  logo no primeiro dia me apaixonei pela querida Professora Teruko. Uma mulher pequenina, mas de um coração enorme,  falava baixo e muito carinhosa. Fiquei o segundo e terceiro ano com ela. 
Depois foi a Professora Sônia do quarto ano, ela sempre incentivava a leitura e quantas vezes conversava comigo depois da aula, quando percebia que eu estava triste.
Lembro como se fosse hoje, cheguei em casa aos prantos no último dia de aula. Minha mãe já brava, achando que eu havia repetido de ano, já pegou a cinta pra  me bater. Quando contei que estava chorando porque não veria mais a Professora Sônia e que não queria passar de ano, desejava ficar pra sempre no quarto ano. Fiquei até com febre, a Professora Sônia veio me visitar e disse que a vida era assim, tínhamos que ir em frente, com coragem e que sempre ela estaria no meu coração. Guardei aquelas palavras!
E depois de alguns anos, Deus colocou na minha vida a pessoa mais generosa que conheci, minha Catequista Rosa. Adivinhem chorei muito no último dia de catequese e naquela época a catequese era seis meses.
Acredito que estão pensando, nossa você ama todo mundo. Direi não, tenho também meus desafetos, que ficará para uma próxima blogagem. (rs).
Voltando para Catequista Rosa, ela me convidou para ser sua ajudante na catequese. Sim, uma menina já ajudando na catequese! Lembro que trazia pra casa os cadernos para colar uns santinhos e figurinhas de anjos. Me sentia tão importante. Isso depois que fiz a Primeira Comunhão. Só a Catequista Rosa tinha ajudante, imaginem a minha importância. (rs).
Pois foi com o exemplo destas cinco mulheres que me formei professora e sou catequista.
Meu muito obrigada e minha eterna gratidão, amores de minha vida!

Nice Sestari

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Projeto "Tem que ler mesmo?" 2017 - Fevereiro

Olá caros viajantes literários!
Nosso bloco para este mês de carnaval, já está na rua! Ops! Digo na poltrona mais próxima!
"Ó abre alas
Que eu quero passar
Ó abre alas
Que eu quero passar

Eu sou da Leitura
Não posso negar
Eu sou da Leitura
Não posso negar"

Preparados para mais uma viagem? 
Quer saber mais da Plataforma Literária, veja Aqui
Venha participar conosco no face, veja Aqui
E Boa Leitura! 

Clique na figura para aumentar